A História do Hentai (+18)

História do Hentai

Na língua Japonesa, Hentai traduz-se “Atitude Estranha”. Ela também é usada abreviando o termo Hentai Seiyoku, que pode ser traduzida como “Perversão Sexual”. Mais popularmente conhecido no Japão e boa parte do mundo, esta expressão conota mangás e animes do tipo sexual HardCore.

Estranhamente hoje em dia este termo é entendido de duas formas diferentes entre os Japoneses e os Norte Americanos.

No Japão, Hentai é usado para expressar um conteúdo sexual extremamente bizarro, fora do comum. Já na América, ele é usado para qualquer tipo de anime ou mangá sexual, indiferente se brando ou bizarro.

Como você pode notar, o termo “americanizado” é o mais comum, dando alusão a qualquer modelo de desenhos pornográficos, o que está parcialmente errado.

O correto, seguindo sua origem, é o modo como o japonês de usar esse termo, pois ele não é generalizado e sim faz referência a um material sexual bem mais agressivo e bizarro. Vale lembrar que, assim como na maioria do mundo, este material é proibido para -18, ou seja, menores de idade não podem ter acesso a este tipo de conteúdo, pois apresenta muita pornografia pesada, como abusos, algumas vezes estupros, acompanhantes e etc.

Grande parte dos hentais tem algo em comum. Apesar das formas e desenho terem pequenas variações, em 99% dos casos os pelos pubianos não são desenhados, fazendo assim com que os personagens tenham uma aparência mais jovem. Outro ponto curioso é que é normal fazer alusão a fetiches comuns entre os japoneses, como o bukkake e o nekomimi.

História:

Estudiosos acreditam que o hentai tenha sido inspirado na arte erótica que já existia desde o Período Edo, entre 1600 e 1867. Nesse tempo, era normal ter desenhos tradicionais que tendiam sobre sexualidade. Tais gravuras eram conhecidas como shunga, é uma espécia de kama-sutra para os recém casados para poder orientá-los sobre o sexo.  Era comum casais que acabaram de casar receber de presente alguns exemplares para levar a lua-de-mel.

Devido a grande censura sofrida no Japão na época da Restauração Meiji por nudez em público, o sunga foi praticamente extinta, resistindo apenas em sua versão mais escondida, onde não podia-se desenhar pênis ou pelos pubianos.

Toshio Maeda, em 1986 começou a criar ilustrações sobre relações sexuais usando tentáculos, o que até hoje é bem característico dentro desse universo. Só em 1991 que a proibição de pelos acabou.

Até a Nintendo entrou na onda criando, em 1983, jogos eroges para computador no Japão. Eram jogos eróticos, mas não tinha a figura de uma mulher em si, devido as limitações gráficas da tecnologia da época.

Gêneros

Existem vários subgêneros dentro do universo dos hentais. Dentre eles:

Bara – Hetai para homens gays

Futanari – Hentai com mulheres com órgão sexual masculino, seja ele natural (hermafroditas) ou colocado de algum outro jeito, seja através da medicina, tecnológico ou até mesmo de maneira sobrenatual.

Kemono – Também conhecido como Yiff, é o Hentai com animais.

Toddlercon (Meninos e meninas – bebês ou crianças muito pequenas)

Loli-con (Meninas – crianças ou adolescentes)

Dentre vários outros.